jusbrasil.com.br
7 de Maio de 2021
    Adicione tópicos

    OAB diz que declaração de Barbosa sobre advogado acordar tarde é preconceituosa

    A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) divulgou nota nesta quarta-feira (15) em que chama de "preconceituosa" a declaração do presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Joaquim Barbosa, de que "a maioria dos advogados acorda lá pelas 11 horas da manhã".

    Barbosa fez a piada ontem durante sessão do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

    A OAB diz que "é lamentável que instituições sejam obrigadas a gastar energia com afirmações preconceituosas". Segundo a nota, "o advogado acorda cedo e dorme tarde, vigilante na defesa do cidadão".

    O CNJ, do qual Barbosa também é presidente, discutia a eventual mudança no horário de atendimento aos advogados no TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo). O tribunal abre às 9h, mas o atendimento começa apenas às 11h.

    Barbosa comentou, então, que não via razão para modificar a norma, uma vez que os advogados acordavam tarde. "Mas a maioria dos advogados não acorda lá pelas 11h da manhã mesmo?"

    O presidente do Supremo seguiu com a ironia indagando os demais conselheiros se a norma do tribunal feria a lei ou se eram os advogados que gozavam de direito absoluto.

    "A Constituição não outorga direito absoluto a nenhuma categoria. Essa norma fere o dispositivo legal, ou são os advogados que gozam de direito absoluto no país?"

    Um advogado presente à sessão pediu a palavra para fazer uma defesa, mas Barbosa negou afirmando que se tratava somente de uma brincadeira entre ele e os demais conselheiros.

    "Vossa excelência não tem essa prerrogativa, de se referir ao comentário que fiz em tom de brincadeira com os meus colegas conselheiros", respondeu Barbosa.

    O horário de atendimento foi questionado pela OAB de São Paulo e o Iasp (Instituto dos Advogados de São Paulo) sob o argumento de que, pelo Estatuto da Advocacia, uma lei federal, os advogados têm direito de livre trânsito nos tribunais.

    A decisão sobre a questão, porém, acabou sendo adiada porque o corregedor do CNJ, Francisco Falcão, pediu vista do pedido.

    Não é a primeira vez que Barbosa cria polêmica com os advogados. Em março, também durante uma sessão do CNJ, o ministro criticou o que ele chamou de "conluio" entre advogado de juízes.

    A declaração dele foi feita durante o julgamento que analisava um processo de aposentadoria compulsória de um juiz do Piauí acusado de beneficiar advogados.

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)